Frete Grátis acima de R$400,00 (exceto regiões norte e nordeste)

Olá, pessoal! Atualmente, pode ser considerado cultura geral no meio de impressão 3D que se pode suavizar as rugosidades feitas pelas camadas de impressões com ABS, HIPS e similares com banho de vapor de acetona. Porém, discute-se também que essa técnica poderia funcionar para certos tipos de PLA. Isso é intrigante, pois o senso comum é que PLA não é afetado por acetona de nenhuma forma. Dadas essas divergências, por que não fazer alguns testes?

Acetona não é um item caro, pode-se obter um litro por algo em torno de R$30,00 e é usada para limpeza, remoção de tintas e tarefas similares. Primeiro, para verificar se acetona tem qualquer efeito sobre PLA, inserimos uma peça impressa em PLA diretamente na acetona líquida. Após deixar por alguns segundos, a superfície do PLA fica pegajosa e gosmenta, e pode-se sentir essa camada externa sair nos dedos. Peças mergulhadas em acetona dessa forma por um extenso período de fato ficam suavizadas, mas elas também perdem muito da sua dureza e também da resistência. Portanto, não é recomendado.

Antes de irmos para os testes com vapor de acetona, será possível soldar duas partes de PLA com a acetona líquida? Com um pincel, passamos acetona líquida em ambas as superfícies a serem soldadas uma na outra assim como é feito em ABS. Deixamos o material de uma fina camada da superfície dissolver e pressionamos as duas partes, uma contra a outra. É esperado que a peça fique grudenta imediatamente, mas pode levar de alguns minutos a horas, dependendo da quantidade de acetona e do tamanho das superfícies para chegar à força total. Deixemos esse par de peças de lado, por enquanto.

Para a suavização por vapor, utilizarmos o método da lata e papel toalha. Não inventamos esse método, mas, essencialmente, para conseguir um vapor de acetona denso e consistente, utiliza-se papel toalha e prende-se o papel nas paredes da lata com ímãs e embebe-se os papéis-toalha em acetona. Pode-se também aquecer a lata para acelerar o processo, mas não é estritamente necessário, principalmente se a lata for agitada antes da inserção da peça. Como a peça estará com a superfície amolecida pela acetona, é necessária uma pequena plataforma, como uma dobradiça, que permita retirar a peça sem que ela seja tocada. Ao inserirmos a peça e retirarmos após aproximadamente 30s, percebemos claramente que a acetona estava fazendo algo. A parte ficou amolecida e escorregadia ao toque, mas não havia nenhuma suavização notável na superfície. Notamos que as ranhuras entre as camadas estavam estavam menos detalhadas, mas não mais do que isso.

Então, aquecemos novamente a lata, colocamos mais acetona e deixamos a peça por cinco minutos. Os efeitos foram notavelmente mais fortes, porém uma superfície mais amolecida e menos cintilante, não havia nenhuma suavização em curso. Testamos, então, com uma outra peça e deixamos por uma hora.

Enquanto isso, voltemos ao nosso teste de soldagem do par de peças. Após deixá-las em contato por certo tempo, estavam solidamente coladas ao manusearmos e tentarmos separá-las. Até mesmo tentando a separação com uma chave de fenda, não houve descolamento! A chave deformou as peças, mas não descolou as superfícies. Portanto, as peças estavam bem soldadas. Não adicionamos cola, adesivos, epóxi, nada! Eram apenas duas peças em PLA comuns, inclusive sem lixamento da superfície!

Voltando à peça no vapor de acetona, ainda não notamos nenhuma suavização na superfície, mesmo a peça tendo ficado por uma hora ou mais dentro da lata. A peça estava sim ficando lentamente mais mole e escorregadia, mas não havia muito derretimento e suavização ocorrendo. Então, novamente, verificamos o que ocorre ao embeber a peça completamente em acetona e esfregá-la com o dedo para ver se haveria algum resultado. No entanto, como esperávamos, não houve um efeito de suavização e, portanto, a técnica de banho de vapor de acetona para PLA nos parece refutada. E, claro, para eliminarmos a possibilidade de que nossa câmara de acetona não estivesse bem feita, deixamos uma peça impressa em ABS por 20s, tiramos e verificamos uma peça perfeitamente suavizada!

No geral, o segredo para suavização de ABS com vapor de acetona é não deixar a peça muito tempo na câmara, mas fazer rápidos mergulhos em um ambiente com vapor de acetona altamente concentrado. Assim, somente dissolve-se a superfície e não se deixa a peça amolecida como um todo.

Concluindo, vapor de acetona não traz um significativo resultado para suavização de superfícies em PLA, além de torná-las um pouco reflexivas. A acetona funciona perfeitamente para soldar duas partes de PLA, o que não esperávamos!

Dito isso, esperamos que tenham aprendido algo com este artigo. Um abraço, e nos vemos no próximo!

Watch this video on YouTube.

Deixe um comentário

× Como podemos te ajudar?